sábado, 5 de agosto de 2017

UM RAPAZ CHAMADO LIBERDADE


Existe um causo, que causa certo espanto,
certa preocupação
É o do menino que andava solto,
sempre preso pela liberdade
Virava e mexia, o menino sumia,
batia em retirada e voava
Nada importava, nada continha
o menino que amava sair e ir
Uns que o conheciam,
diziam que com certeza seria a idade
Sim, a idade, aquela austera senhora o conteria,
ela seria seu jeito
Mas o tempo foi passando
e a idade que era a esperança, falhou
Disseram mesmo, que o tal menino,
agora rapaz, desesperou-a
Enganando-a com aquela alegria contagiante
que sempre o remoçava
Desiludidos, os carcereiros atônitos,
tiveram uma genial ideia
Apresentaram-lhe uma bela moça,
criada para cuidar do lar
Prendada e "prendida" nas coisas de casa;
e de ouvidos atentos
Ela era em si uma viagem,
uma terra encantada a ser conhecida
E o menino, que de rapaz passara
e homem se tornou, encantou-se
E encantado naquele cantinho
que chamam de lar, o menino ficou
E ela ouvinte, o encantava com suas 
perguntas bem feitas e gentis
E ele passava horas a fio, no calor ou no frio,
a lhe contar histórias
Todas cheias de lugares novos,
pessoas diferentes, secas e enchentes
E ela, já mulher e agora prenha,
continuava a ouvir, sorrir e perguntar
E aquele homem de diminuídos cabelos,
com um grisalho surgindo
Continuava com aquele mesmo olhar menino,
sorriso farto e contente
E ela na sala, com um menino
mamando em seu colo e a pequena ao chão
Ouviam todos, aquelas belas e lindas histórias
que pareciam não ter fim
E em um dia simples, que parecia
ser igual a todos os outros dias
Quando todos acostumados com as histórias,
se encaminharam para lá
Nada encontraram, não havia nem
a menina transformada em moça
Nem a doce senhora, a bela conhecedora
de todos os segredos do lar
Não estava a menina já moça,
nem o menino peralta que vivia a pular
Disseram alguns, sem muita certeza,
que saíram em grande veículo
Todos estavam sorrindo e contentes,
foram viver e fazer novas histórias
Disseram que um dia voltam,
trazendo novidades para contar

Nenhum comentário:

Postar um comentário