domingo, 25 de outubro de 2015

Denso



Palavras fartas, infartos, atos e poemas
E o mundo gira dentro de nós em laços
Laços de fitas, laços de amor, afeto
E o feto, latente, crescente, vida imanente
Acompanhado de sua solidão guardada
Aguada, prestes a despencar, nascer
Virá então o pranto, a lágrima do sorriso
A expectativa atroz dos dias que virão
Verão no inverno o calor do verão
O soluço, a cura da solidão latente
Palavras tantas, tontas, prontas ou não
Transmitem-nos a vida clara, rara.