quinta-feira, 4 de junho de 2015

Um estranho sonho


Adormeci em tarde serena de um feriado qualquer
Deitei-me e dormi mansamente um sono tranquilo
Enquanto viajava suavemente caminhos oníricos
Encontrei-me em cerimônia fúnebre de fato incomum

O deitado era um obeso avantajado e sem semblante
Os presentes, pessoas diretas e sem cerimônias formais
Logo um se adiantou e começou a falar sem rodeios: 
"Morreu ontem esta pessoa que muito me prejudicou"

Outro, pedindo um aparte, usou de semelhança e disse:
Este que jaz aí morto, sempre foi sem respeito pelo outro,
No tocante ao meu convívio com ele, foi sim desagradável.
Era pessoa sem afeto natural, interesseiro, um miserável.

E assim, mais três se pronunciaram sem fazer rodeios.
À medida que a caixa foi sendo fechada, o último disse:
Morreu ontem um ser desagradável e inútil à sociedade
Enterra-se hoje, um mal filho, mal marido e mal amigo

As poucas pessoas que ali estavam, disseram: "É verdade"
A caixa saiu carregada pelo funcionário do cemitério
Nem uma pessoa pegou uma só alça do pesado caixão
Neste exato momento acordei e fui escovar os dentes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário