terça-feira, 26 de novembro de 2013

A LÁGRIMA - Poema para Regina


Cessaram-se os sons, o sorriso e também a dor
Cessou o olhar, os passos faceiros e a esperança
Cessou o calor da pele, cessou também o desejo
Cessou aquilo lhe movia e que me movia também
Me olhava então com seus doces olhos fechados
Tocando-me na memória viva que tenho em mim
Ainda com tantos cheiros e sensações de amor
Moveu-se ali parada, inerte, para longe de mim
Tão perto a ausência de sua presença, meu vazio
Vazão do amor que me deixando, me acompanha
Desacompanhando-me de corpos presentes aqui

E neste emaranhado de saudade, de lembranças
Tanto se aproxima de mim a dura vontade de rever
Tanto se afasta de mim a esperança de poder sentir
De poder sorrir o sorriso que um dia me envolveu
De querer viver a imagem que eu sempre sentia
Então em meio a doces e dores das lembranças
Um pouco adormecido; desperto da dor do sonho
Do duro sonho de dor, sem que me pareça pesadelo
Acordo com os acordes de "Too Young", e então
Me descubro ainda lá, resistindo às lágrimas
E sem lástima me levanto, envelopando a saudade

Nenhum comentário:

Postar um comentário