sábado, 26 de outubro de 2013

PENSAMENTOS


Busco a todo instante, por todo lugar
Por aquele vazio de pre-ocupações
Faço manobras, me distraio e me traio
Pensando aqui e acolá, sonhando você

Então acordo fazendo acordos e acordes
Com cordas que me levam pelas árvores
Com cordas tênues que me prendem a você
E durmo pensando e sonhando em você

Então sem remédio busco remediar
Se me esquecer, sei que vou lembrar

Se permanecer em mim esta imagem
Se permanecerem todas as lembranças
Sei que vou sorrir, sei que vou chorar
Desejando te ver, querendo te amar

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

A VIDRAÇA


Da janela da minha vida vejo a longa estrada
Um fino fio, uma linha vai além do horizonte distante
Pensando na janela, viajo amanhãs fora do vidro
Receio algum, comodidade muita me faz ficar
Mas na janela tão pequena há dor do incômodo
Do estar contido, quase imóvel em meu mundo
Cercado de todos e tudo em meio a grande solidão
Então me afasto dela para ver a imensidão interior
Meu mecanismo de sublimação, de resposta simples
Simples de vão simplismo, sem simplicidade alguma
E a vidraça da sala sem portas, mostra os dois lados
Por dentro uma parte, por fora porto para quem parte
E parte de mim fica e outra ainda está, mesmo querendo ir
E amanhã volto a escrever mesmo que tenha conseguido ficar.