quarta-feira, 18 de setembro de 2013

שלום וצדק


Ap 21.1
Amanheceu como se não houvesse passado
Nada do que estava era de novo, maquiado
Disfarçado de hoje ainda que fosse ontem
Tudo era novo, novas cores, novos olhares
Pássaros não temiam, comiam em nossas mãos
Nós não temíamos, compartilhávamos coisas
Desde o pão matinal até o sorriso mais franco
O sol era agradavelmente tempero do calor
E uma brisa suave não era o alívio, era uma cor
E vivemos então de mãos dadas, sem donos
Sem senhores, sem escravos, sem temores ou pesares
E podíamos dormir pela manhã, o trabalho era prazer
Passear noites investigando matas, nomeando vegetais
O sono não era fruto do cansaço, estávamos no descanso
Não nos cansávamos mais, caminhávamos o hoje
Sem projeções preocupadas com o amanhã
E então me deitei sem medo e quando despertei
Amanheceu como se não houvesse passado.

Um comentário: