domingo, 14 de abril de 2013

TRIBUTO AO VERDADEIRO AMOR


Saímos tarde do lugar sereno do conforto
Entendendo tão pouco da dor e sofrimento
Acordamos em um mundo fora das palavras
Dentro de emoções fortes e desconhecidas
Descobrimos então as cores do sangue da veia
O gosto das lágrimas que rolam desordenadas
Nascidas de frustrações e desesperos reais
Então nos encontramos no mundo sofrido
Entendendo que nossas lágrimas doces
Sempre enxugadas e consoladas por alguém
Eram disfarces de uma dor inexistente e nula
E ao sentir a ineficácia das morfinas em palavras
Des-esperamos em fuga do que nos fará crescer
No desejo insano de se manter menino sem dor
Então aquele mundo de fantasia, agora maculado
Não nos aceita mais e nós igualmente o desprezamos
Descoberta a verdade vivencial da escolha e da dor
Assumidas as responsabilidades de haver dado o passo
Que nos levou para fora do mundinho em que guardados
Julgávamos viver uma plenitude de compreensão das coisas
E então, a fórceps, nos descobrimos com marcas que ficam
Formações e deformações da força dos aparelhos em nós
Agora irremediavelmente nascidos para um mundo adulto
Lugar onde se misturam e se confundem prazer e dor

Um comentário: