domingo, 24 de fevereiro de 2013

TORNAR-SE PESSOA


Estava ali parado vendo as folhas passarem
A desordem não era só de tempo ou fases
Misturavam-se as pessoas que estiveram lá 
As que gostaria que estivem também na foto
Algumas que dispensaria de todas as cenas
A particular lente dos dias me mostrou tons e cores
Fotos desbotadas na história, mas vívidas na memória
E hora eu lembrava alguém que está longe de mim
E em outras me sentia longe de quem esta perto
E o caleidoscópio estranhamente girava
Trocando, incluindo e extra-ordinariamente
Sobrepondo e substituindo peças claras e foscas
Tudo me passando na mente e eu chocando e chocado
Calado, parado, pensando presente, ao lado o passado
O presente, nem me era o presente ou o passado
O presente eu mesmo me dava estando ali
Repensando, repassando, presenças e ausências
Telas que foram escritas, melodias pintadas
Fusos horários, confusas memórias sem marcas
Me marcando a memória, em memória do que vivi
E viajando no tempo, pensando e passeando
Passando o presente passado, pretérito imperfeito
Quem sabe mais do que imperfeito, sei que fui
Sinto claramente que sou e serei feliz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário