sexta-feira, 23 de março de 2012

UMA DOSE


Como encantamento de infância
Trouxe na minha boa memória
As marcas da porta que fechou
A dança e a doce lembrança
Do dom passado que ficou
Aquele seu doce jeito
De dizer sem preconceito
Sem medir gestos e palavras

De forma terna e sem respeito
Foi chegando e se instalou
Então é tudo e quase nada
É doce presença, delírio
E enlouquecido fecho os olhos
Viajo mundos, universos
Surgem todos versos e inversos
De uma só dose de você em mim

Nenhum comentário:

Postar um comentário