sábado, 31 de março de 2012

RECOMEÇAR




Bateu a porta me deixando sem mim
Foi embora levando meu sono
Saiu sorrindo o sorriso que era meu
Levou palavras que não tinha, não sabia
Palavras do meu livro do Ferreira Gullar
Mas tudo bem, tudo certo, vai passar
Passar como as nuvens do verão
Como as chuvas que arrasam
E eu, cidadão de certezas simples
Sei com sentimentos comuns
Que parecia, mas não era amor
Então não foi perda, nem ganho
Foi um dia que findou no anoitecer
E sólido e tranquilo, rodo na mão
Limpo, jogo fora móveis e mágoas
Restos inúteis da ilusão

INCONGRUÊNCIAS


A alma transpira calma sentimentos e ilusões
Respira sem aparelhos, violências e decepções
Grave, grava gravuras insólitas da dor geral
Espalhadas em faces desconhecidas e iguais
Caladas pela ausência do amparo público
Torturadas por desmazelos sólidos e banais
Iguais iguarias vencidas, promessas vencidas
Tortura das certezas derrotadas pela desilusão
E lá, no fundo do peito, no cerne da mente
Nada é verdade na mente e na alma
E tudo mente se o assunto é amor
Então, o desmembrado sentimento
Com membranas despedaçadas
Rompe derramado e derramando
Certezas de vida em derrotas de amor
Amores derrotados, mas glorificados
Justificando, explicando, aceitando
As mentiras dos sentimentos de dor

PROVA DE AMOR

Será uma bela manhã de outono
Uma tarde singela e cheia de amor
Teremos os dois, vespertina ternura
Um caminho noturno de puro calor
Seremos nós dois, seremos um só
Ainda assim, unidos por horas
Distantes por minutos
Seremos em tudo e a cada minuto
Uma prova do amor.

domingo, 25 de março de 2012

BOM DIA, BOM DOMINGO.

Se por acaso você se alegra com a alegria vinda de bons motivos do seu amigo, irmão ou conhecido, se sente aquela tristeza compartilhada quando eles sofrem, então temos alguma coisa muito importante em nossas similaridades. Independente de credos e/ou incredulidades, opiniões políticas, esportivas ou qualquer assunto atrelado a um grupo, somos humanos e isto é muito importante. Pode crer.

sexta-feira, 23 de março de 2012

UMA DOSE


Como encantamento de infância
Trouxe na minha boa memória
As marcas da porta que fechou
A dança e a doce lembrança
Do dom passado que ficou
Aquele seu doce jeito
De dizer sem preconceito
Sem medir gestos e palavras

De forma terna e sem respeito
Foi chegando e se instalou
Então é tudo e quase nada
É doce presença, delírio
E enlouquecido fecho os olhos
Viajo mundos, universos
Surgem todos versos e inversos
De uma só dose de você em mim

A INVASORA


Se o amor chegar, então chegou
Não há o que fazer, ela ganhou
Foi sem medir vontades, sem licença 
Não pediu opiniões, ela ficou
Desarrumando malas e salas
Com os pés em cima da mesa
Suas pernas por cima de mim
Senhora de xícaras e talheres 
Tomando o lado certo da cama
Espalhando bacana o seu amor
E então é sem mistério, é caso sério
Com tudo belo e todo esplendor
É o amor que sem fronteiras
E sem licença, as minhas terras tomou

CAMINHOS COMBINADOS





Está ou estava combinado
Este amor não é deste mundo
São rios em vidas paralelas
Este amor é mais que futuro
Porque em todos encontros
Por todos os cantos 
Nossos corpos cantam um amor
Que acima de tudo, 
Existe uma verdade
Uma vontade, tanta saudade
Que não cabe em um mundo

E fica combinado
Que nada vai parar
Pois tudo em nós conspira
Pra este amor ser todo futuro
E nós no encontro cósmico
De um amor de infinito puro
De um respirar tão fundo
Nosso amor não é deste mundo

TUDO DITO





Então está tudo dito
Pois este amor bonito
Me levou pra longe
Pro outro lado do mundo
Porque teu jeito neve
Teu amor sincero
Me deixou mais leve
E agora sou quem sou

Depois de tudo isso
Este amor bendito
Mostrou sua beleza
Em gestos e silêncios
E fica combinado
Que vai ser pra sempre
Que não vai ter fim
Vamos escrever com vida
Desenhar com afeto
Um sentimento leve

O sentimento será
Um verso de amor
Será então eterno
Pois depois de havermos  ido
Ficará escrita uma bela história
Nossa história de amor

quinta-feira, 22 de março de 2012

SEXTA-FEIRA SENSACIONAL

Sei que daqui a algumas horas o sol nascerá
Com ele virão boas e novas oportunidades
Você está predisposto a aproveitá-las bem
E por este motivo fará mais da sua sexta-feira
Será mais que o início de um Final de Semana
Você fará desta sexta-feira um dia de vitórias
Estará de bem com vida, compartilhe sorrisos
Também cheio de esperança em novos projetos
Com força para concluir aquilo que é preciso
Será mais do que um barzinho, um churrasquinho
Mais do que o papo com os amigos do peito
Esta sexta-feira será o começo de uma nova era
E você se tornará um grande vencedor

domingo, 18 de março de 2012

RENASCER

Há sol no escuro monte
Embora frio e úmido
Apesar de assombrações
Há sol no escuro monte
Não são nuvens as sombras
É a hora tardia, 
O sol já passou
E sem ilusões levantamos
Para celebrar novo dia
Pois depois de longa noite
Vai raiar um belo dia
O sol já voltou.

Só Viver

Coisas simples nem sempre fáceis
Mostram com o tempo verdades
Mudanças suaves e eternas
Soluços de outrora, hoje soluções
Amizade, amor em ternura
Sempre sincero, frágil e franco
Conselhos, abraços, apertos de mãos
No passeio aflora a sensibilidade
Seja no campo, praia, montanha
Pássaros cantando, cães ladrando
Olhos atentos a palavras do ouvir
Ouvidos atentos a cada imagem
Transpondo limites, criando milagres
Fazendo do simples encontro
Encanto, momento mágico
E então já se foi o caminho
E caminhantes, amantes ou não
Encontram na ternura do momento
O próprio transpor do viver
A sua aurora, por vezes boreal
E mudamos a dança, a música
A musica infinda e bela
A ciência chamada viver

Graças a vida

Sei que esta manhã tem cores de outono
As nuvens me fazem lembrar as águas
As águas de março que se vão
O refresco que a brisa trouxe
Aponta o inverno e seus prazeres
Que mais tarde nos convidarão
A casacos e chimarrão
Mas hoje eu sou feliz
Sou tudo o que posso ser
Amo tudo que posso ser
Desfruto tudo que posso ter
Sou grato a DEUS, aos amigos
E também às lições dos inimigos 
                                         Me ensinaram a ser mais meu amigo                                                                                                                                                                            

sábado, 17 de março de 2012

O JARDIM

Um desejo antigo nasceu
Dando vida a tudo desejado
Veio na forma de cores
Cheio de cheiros diversos
Estando tudo no inverso
Sabor de novo verso
Com a mesma força
Da chuva rua abaixo
Flores ladeira acima
Meu doce jardim

A DOCE CERTEZA


A suave passagem de um mundo para o outro gera para alguns a angustia, como todo desconhecido. Se em nós há cultura que suavize, suavemente enfrentamos, mas se existem apegos demais à matéria, então queremos não propriamente ficar, mas sim  o não  perdermos, por este motivo alguns daqueles que perderam aqui aquilo que lhe era precioso; perderam também o afeto por estar e escolheram nos deixar.

Vamos passando os dias como se estivéssemos diante da incerteza, mas a certeza está lá e não nos espera, está vindo em nossa direção.
Alegre-se! O seu dia chegará e você não se perderá de si mesmo, por este motivo seja. Seja você, seja feliz, seja o que for que vier a acontecer.

sexta-feira, 16 de março de 2012

EU E VOCÊ

Os carros passam na rua, me lembram você
A manhã quente desperta tipos de humor
Trabalhos, assaltos, rumores de guerras
O ônibus lotado e eu pensando você.

Você ao meu lado, falando baixinho
De cores, batons, do pobre sofrendo
Eu correndo, apressado penso  você 
Querendo você, não tem um porque

Manhã, tarde, noite e madrugada
Meu pensamento em você
Dias, semanas, meses eternos
Só eu, todo um mundo e você.

ILUSÕES


Os teus olhos de saudade
Disseram-me gentilmente
Chegou minha hora de ir
Porque não adianta ficar
Não te quero ver sofrer
O chorar a ausência, a falta
De um amor que não sou eu

Então em ti, brota um sorriso
Você balbucia um, não vá!
Finjo não ter visto o que vi
Imagino mentiras em mim
Por pouco me entrego
Todo e tolo, sempre teu
Sofrendo e amando você

quinta-feira, 15 de março de 2012

O FIM

O peito perfurado pela dor do fim
As coisas que ficaram intocadas
Que deveriam ter sido vividas
Ficaram estéreis e sem uso
Sumiu a cor do amor no lençol
Também os sorrisos, as brigas
Ficou o silêncio inútil e vão
No lugar de sentimentos aparentes
Outrora incontidos, agora inexistentes
Este é o significado da dor do fim da dor.


terça-feira, 13 de março de 2012

ROMPENDO CADEIAS

Nem sempre o que é legal pode ser considerado de Boa Moral.


Nem sempre os costumes são analisados pela ótica da Ética.

Legisladores são uma possibilidade de problema no cumprimento do bem comum, do direito isonômico.


Exemplos Cotidianos:

Perguntas

  1.       Porque para alguns existe Prisão Especial, Fóruns Especiais, Direito de fazer uma lei específica para os que governam, sempre com mais direitos do que o cidadão que eles chamam de comum, “cidadão comum”, porque eles são incomuns?  
  2.       Índice de reajuste salarial desassociado do salário mínimo.
  3.       Direito a receber sem trabalhar, diárias a perder de vista em viagens que nem deveriam ser feitas, passagens, verba pra isso, isto e aquilo.

4                         Poderíamos colocar mais um milhão de itens.

Resposta
1.       Dê você mesmo a sua resposta em comentários e se puder compartilhe, eles vão ficar sabendo publicamente o que o “cidadão comum” pensa deles.

ESCOLHAS

Caminho caminhos diversos, muitos não tracei, nem são meus; mas pelo simples fato de havê-los percorrido, ainda que metros, respondo por eles.

segunda-feira, 12 de março de 2012

TREINANDO O ALVO

Vivemos dias  de mudanças no País, não são as mudanças da esperança, estas ainda não chegaram, quem sabe mudanças da intolerância, do não ser mais possível conviver com o escárnio público imposto pelos maus governantes.
Caí um Ricardo Teixeira deixando um irmão moral dele, não é bom sinal, sinaliza que ele teve de sair sem que os desmandos e a corrupção tenham sido feridos, parecem fortes e sadios, mas com certeza sem o fortalecimento da arrogância.
Devemos, talvez, persistir no desejo de mudança, não de figuras em cargos, mas mudanças conceituais descentralizadoras, havendo a desejável abertura para que tantos quantos desejem possam se organizar em Confederações e outros órgãos que dominam algo que genuinamente deva ser público e não do poder público.
Precisamos reivindicar aberturas descentralizadoras naquilo que efetivamente é usado para manipulação da opinião e degradação daquilo que é de interesse popular.
É de se estranhar que Juízes e Promotores ao saberem de negociatas ilícitas façam acordos para um ajuste menos correto, como se o papel deles fosse legislar e não fazer cumprir a Legislação, deixam que matérias absurdamente claras, se tornem obscuras pela complacência existente em nossa cultura para com alguns da sociedade.
Respondam: se a mocinha provavelmente assassinada fosse a filha de um Senador, um Deputado Federal, estaríamos nesta palhaçada que envolve o caso Bruno?
Bem, Bem, Bem, não faço política, são só perguntas.

sábado, 10 de março de 2012

QUAL É A GRAÇA?


Ide, pois, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não sacrifícios.
Porque eu não vim chamar justos, mas pecadores.
Mateus 9:13


Convenhamos que em matéria de graça e favor, todos nós queremos de Deus ou do outro receber um pouquinho a mais, alguns um poucão, outros tantos um tantão. Devemos repensar o que queremos e isto pelo fato de a Graça, ao contrário do que muitos pensam, nem sempre ser exatamente o que gostaríamos que ela fosse.

Misericórdia é graça quando recebemos ou quando ofertamos? Perdão é graça quando somos perdoados ou quando perdoamos? Por isto é preciso pensar, pensar se queremos de graça ou se queremos a graça perfeita, a graça que vem dos céus. Favores à parte, todos nós devemos nos tornar co-participantes da graça divina, co-participantes não só como agentes receptores, mas principalmente doadores.

Durante toda a nossa vida deveríamos meditar em alguns aspectos sobre a graça divina, com certeza nos deteríamos menos nos aspectos dos favores recebidos, das bênçãos derramadas; dando lugar ao enfoque da graça em momentos diversos e adversos. Perceberíamos progressivamente, mas com clareza, o significado do dito bíblico que nos diz: “mais bem-aventurada coisa é dar do que receber”.

Vai acontecer da mesma forma como se desenrola esta reflexão, parágrafos pequenos, mensagens que têm objetivo definido e ao alcance de todos. Então!? Não se exclua não, envolva-se na graça de compartilhar coisas boas, tenha atitudes que ajudem na construção de um mundo melhor e aproveite que fazer o bem é de graça; e disso nós gostamos, não é não?

E não vá por causa de alguma crise deixar de colaborar com aqueles que trabalham em prol de crianças carentes, portadores de cancer e outros males atrozes, pode acreditar, vai valer a pena ajudar.

INTOLERÂNCIAS



Vivemos em um mundo intolerante, cada dia mais, mais pessoas desejam que sejamos aquilo que elas são. 

Tenho convivido com os que fazem barulho das mais diversas formas, mas não toleram um só ruído que não seja o que ele ou ela chamam limites toleráveis em música; pessoas com filhos sem limites educacionais, aborrecidas com crianças correndo de um lado para o outro.
A origem da palavra tolerância vem do latim - tolerare – que significa acolher alguém, ser suporte, ser indulgente para com os outros. Pois bem, intolerância é o oposto disto, é a rejeição, a inadmissão do outro ou de seu pensar.

Existe muitos tipos de intolerância, algumas expressam uma dificuldade de amadurecimento acompanhada de uma rigidez que demonstra fragilidade interior, facilmente identificada por um incômodo grande diante de algo pequeno; outras, já as mais requintadas, tomam a pseudomorfa das ideologias, muito encontrada em tribos religiosas, sejam elas eclesiásticas, esportivas, musicais e por aí vai... 

O fato é, temos visto violências atrozes e preconceituosas em nosso mundo, que existe uma necessidade urgente de se distinguir o que é matéria digna de apologias e o que não é. Particularmente tenho procurado tomar a seguinte posição: Faz algum mal social o comportamento ou costume presente? Se fizer e eu tiver competência para tal, talvez ouse defender hipóteses ou teses contrárias; não está fazendo verdadeiramente algum mal social? Então é a vida e opinião do outro, deixo rolar, deixo pra lá e cuido da minha vida, entendendo que assim demonstro acolhimento ao outro da forma como ele é e não da que eu gostaria que ele fosse para minha comodidade por vezes intolerante

Acidentado planalto do estado municipal

Se ilude com as ilusões que quer
Acreditando verdades que lhe convêm
Se desilude com verdades simples
Com meias-verdades, mentiras inteiras
Vai seguindo, fingindo o bem e o mal
Não é bom, não é mau, pelo contrário
É de acordo com a conveniência
Em um posto de estrada com sede
Sem fome de justiça, principalmente social
Estimulado e estimulando subjetividades
Relatórios de dados plurais, números nas palavras
Palavras justificando números horríveis, desiguais
E o povo querendo crer bobagens, imagens
Copas, Olimpíadas, copa lombo e piadas
País desigual, igual a tantos outros, imoral
Misérias, mentiras, enriquecimento ilícito
Desgraças públicas em forma de chuvas
Espancamentos, incinerando pessoas
Diversas fobias, desprezo moral
Tristeza munícipe, estado federal
Miséria Geral.


DORES


A cada dia no caminho e na mesma direção,  vou encontrando sorrisos e lágrimas, problemas e soluções. Vejo homens deitados ereta-mente, alguns caídos d'alma na vertical. Vou passando, parando em alguns lugares mais do que em outros, me importando de menos ou demais com problemas desiguais. Vou vivendo sentimentos, desprezando e sendo desprezado pelo desprezo social.

O ALVO

Segue o teu caminho sem regras desnecessárias, faça dele uma canção bonita. Trilhe-o com cuidado que possa parecer hesitação, mas que seja sem medo, mantenha a esperança a cada passo da jornada, lembrando-se que é a soma dos dias que te levará ao alvo desejado. Pode ser que sempre siga adiante, por vezes irás precisar voltar,  mantenha na mente que acima de tudo, a regra necessária é que preserves na alma, no corpo, no espírito a proposta de amar.

sexta-feira, 9 de março de 2012

A lua distante tão perto, cheia, crescente ou minguante trás força de nova pra mim. Não é só encanto, tampouco o reflexo resplendor do sol, trás em si e em todas as aparências a mesma força cósmica de atração e equilíbrio, continuamente girando em torno de muitos ou mesmo em si. 
Assim também somos nós que independente do estado de ânimo, alegrias ou pesares, servimos de referência para os que estão presentes ou por vir.

L'enfant rebelle et terrible

Embriagado ele corria atrás do vento
Buscava ser tudo, ser bondoso, bravo
Buscava palavras difíceis e palavrões
Entorpecido, entendia ele mesmo tudo
Não advindo de experiências positivas
Aprovadas além dos olhos maternos
Ou dos fraternos olhos que o aplaudiam
Ele estava bêbado de si, embriagado
Fugia de seus próprios medos
Construía concorrências, divergências
Seu discurso dócil efêmero e combativo
Lutava contra moinhos e rios de ventos
Feito um Don Quixote alucinado e trôpego
Sua rigidez contra os denominados rígidos
Sua religiosidade contra os religiosos
Transformava-o em um talibã fundamentalista
Contra os discípulos do fundamentalismo
E ele bêbado de si mesmo, dizia coisas vãs
Falava sabedorias, parava, refletia, mudava
E se alguma coisa o confrontava, saía
Dizendo não gostar do discurso dos bêbados
Dos embriagados por paixões
Sejam de clubes e coisinhas assim
E assim ele vivia feliz e infeliz
Talvez originado pelo desencontro
Ou pelo encontro desagradável
Do bêbado com o equilibrista
Dentro dos outros e dentro de si

quinta-feira, 8 de março de 2012

CANÇÃO TRISTE


Quando penso que passou, vem você me dizendo oi,
Me olhando daquele jeito que só você tem.
E aí, meio sem saber dizer não, digo sim
E vejo você sorrindo e me dizendo com carinho:
Vem pra mim, não seja teimoso, não seja malvado,
Pois eu quero e preciso dos teus sins.
E fico encantado, extasiado com teu jeito de ser
E olhando o teu me querer, me esqueço de tudo
Das brigas, palavras mal ditas de forma bem dita
Parece que sempre terás o meu perdão.
Mas nunca se iluda, pois aos poucos, às gotas
Escoa lentamente de dentro do meu coração
Um sentimento enorme em tamanho
De um amor que senti por você
E por este motivo, te digo, escrevo e repito
Que hoje é só teu o meu corpo e meu tempo
Mas houve um dia em que fostes a dona do meu coração.

domingo, 4 de março de 2012

A VITÓRIA DO AMOR


O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor. Romanos 13:10 

            O desejo de vitória é algo muito comum, até mesmo justificável dentro do coração humano. 

Nossos sonhos e ideais sempre estão de alguma forma voltados para um ato ou processo de conquista, daí a vitória ser algo desejável.

Envolvidos por nossos desafios, nos esquecemos muitas vezes de mensurarmos a validade de atos e posturas que tomamos no decorrer de questões e problemas que nos envolvem.

Com isso causamos muitas vezes situações que ao contrário de nos trazerem soluções, nos trazem mais problemas, que dificilmente são menores do que os que já tínhamos.

É preciso pensar não só na motivação para nossas atitudes, mas também nas conseqüências que advirão das mesmas.

É necessário acreditar no verdadeiro amor (a vontade de Deus), é necessário conhecê-lo, vivenciá-lo, acreditando sempre em suas características principais: perdão, paciência, misericórdia.

Vamos lá! Invista em sua felicidade. Ame, seja paciente e perdoe.

sábado, 3 de março de 2012

VOCÊ VAI VENCER

Sonhar o realizável e conquistar o futuro
Fazendo hoje tudo o que é possível
Para avançar na direção do ideal
Alguns sacrifícios e sem sofrimentos
Faça como uma forma de oferta
Na busca de se ter um futuro melhor

Não retarde, não se apresse
Acima de tudo, não reclame
Nas adversidades, dificuldades
Tampouco pelo tempo perdido
Não perca tempo com lamentos
Avance na direção de um futuro melhor

Assim, poderemos descansar a noite
Trabalhar bem durante o dia
Termos prazer nas horas de lazer
Entendendo o futuro como um hoje
O amanhã como um sonho
Destinado a se realizar.

ENQUANTO DURMO


“Ora, se vós que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos,
quanto mais o Pai Celestial dará o Espírito Consolador aqueles que lho pedirem”

Sentado na sala, envolvido pelos meus dilemas e pré-ocupaçoes, orava a Deus e lia livros de meditação na busca de um consolo que me viesse acalmar a dor e os sentimentos de angustia que meu dia-a-dia tem gerado.

Acompanhado pelo temor de que os problemas que enfrento venham a tomar proporções maiores do que penso poder enfrentar, orava pedindo que Deus me desse o olhar da fé que nos traz conforto e força para enfrentar o dia chamado hoje.

De repente, em meio ao silêncio da madrugada, um curto sussurro parecia chamar-me, levantei-me e indo ao quarto de meu filho encontrei-o mal coberto e incomodado pelo frio da madrugada. Ao me aproximar dele e cobri-lo com outro cobertor, seu corpo relaxou, seu semblante perdeu a tensão do incomodo e dando-lhe um beijo saí do quarto já com lágrimas nos olhos.

Pude compreender que meus gemidos e sussurros são, com certeza, ouvidos pelo Pai Celestial e que seus cuidados e providências haverão de me acalmar e me deixar em conforto e paz no dia em que o frio da vida puder me alcançar.

SENTIMENTOS DESNECESSÁRIOS

A esperança floresce pela manhã
Depois da noite densa e tensa
O surgir do sol traz em si
Raios de luz que clareiam o caminho
É algo ilusório e real, etéreo e concreto
A luz nos traz segurança ao findar a escuridão
Nos sentirmos acompanhados dos acordados
Parece lembrar o acordo dos amigos e dos irmãos
Que por motivos os mais diversos, não estavam na dor
Não nos acompanharam na escuridão da noite
E então, descobertos os medos de incomodar
Transferidas as dores do abandono hipotético
Para a certeza da companhia do dia
Avançamos na direção de solucionar as dores
As soluções dos sofrimentos do ontem antes da noite
Ouvimos então as palavras que não criamos
A disposição que precisávamos estava lá
Os amigos dormiram porque não os chamamos
Viriam ao nosso encontro e combateriam nossa dor
Venceriam o sentimento de solidão em nós
Teriam feito luz do dia em plena noite
Através do amor que nos tem.

O Náufrago



Um gesto, um aceno.
Ao longe a cena
O braço acena
Na direção da terra
Um homem ao fundo do mar
Ao vê-lo observo-o
Com um largo olhar
Com uma das mãos aceno
Sem me preocupar
Com a outra imploro
Que o Senhor dos mares
O possa salvar
Com certo espanto ouço
Algo assim como o vento a me gritar
O aceno é socorro, tu vais recuar?
Já meio molhado e com medo
Na surra da água bravia
Eu sinto um arrepio bendito
O Senhor dos mares, dos ventos,
Diz-me que em dias de dores e frio,
Pode me usar.

Ab - SURDOS


CAPITULO 5





Beth havia me deixado “com a pulga atrás da orelha”, aquele não era o jeito natural de Antonia enfrentar qualquer adversidade na vida, lembro-me de quando perderam seus pais e da forma admirável como enfrentou com Carlos cada uma das perdas. Pois bem, todos nós somos caixinhas de surpresas, ela não seria a exceção. O agravante era que Beth era administradora de uma Clínica de Imagens e agora eu começava a me lembrar que nas conversas com Carlos, ele havia me dito que Antônia andava meio preocupada, o que a levou a ir ao médico.

Mas a vida continua, é a seqüência natural do “c'est la vie”.

No dia seguinte me mantinha preocupado com o clima que havia se instalado naquela mesa, lembrei-me da velha lição do Prof. Riscalla Corbage: “mulheres Monteiro, mulheres, atenção quando elas se unem”, nem sei bem porque aquilo me veio à mente, mas o fato é que me lembrei do velho amigo a me dizer palavras tão sábias, coloquei as “barbas de molho”, quem sabe hoje era o dia de raspá-la.

Lá pelas três da tarde, Carlos me liga dizendo que já estava em São Paulo, não existiam vôos que o levassem até Campinas que é nossa escala preferida, tão menos um vôo que saísse mesmo de Bauru e que nos levasse pelo menos como escala a alguma capital das outras regiões do nosso imenso país, mas não vamos gastar tempo comentando estes absurdos de uma terra tão boa como a nossa. Disse-me que chegaria lá pelas sete da noite e que gostaria de conversar comigo, marcamos para a manhã seguinte.

Lá pelas onze da manhã Carlos chega com um semblante diferente do costumeiro, seu olhar não estava arisco, a tonalidade de sua voz era um pouco mais fechada, não bastasse tudo isto, chegou sem fazer nenhuma reclamação, o que não lhe era muito comum. Perguntou-me, podemos dar uma volta? Não lhe respondi com palavras, comecei imediatamente a fazer o percurso que normalmente faço quando como muito doce e ele permanecia calado.

Ao chegarmos à esquina com a Rio Branco, ele suspira e me diz, tem alguma coisa de diferente no comportamento da Antônia, ela anda meio preocupada, tem ido muito ao apartamento da Beth e eu achava que era por minha causa, porque estava achando que a Beth estava interessada em mim, mas não é não, é alguma outra coisa que elas duas não querem me contar, foi a um outro médico, anda fazendo exames... Meio voltando ao normal, seu olhar brilhou e disse-me: “Bem, se você souber de alguma coisa me conte, me conte logo, estou muito angustiado”, dali mesmo seguiu adiante, havia estacionado seu carro na quadra em que estávamos.

Fui voltando e me lembrando das sábias lições do Dr. Celso: “os males e as dores maiores inibem as menores”, isto estava acontecendo na vida do Carlos, suas preocupações com o próprio umbigo, haviam dado lugar à preocupação com sua irmã, que na verdade, embora não tivesse idade, exerceu o papel de mãe no término de sua educação, “c'est la vie”.

sexta-feira, 2 de março de 2012

A DISCUSSÃO

Sinto dor em teu sorriso
Impreciso chão sem cor
Alegria vã de abismos
Fingimentos e horror
Se a dor deste momento
Destrói todo querer
É preciso estar atento
Pra qualquer furor

Tenho certa confiança
Desconfio deste amor
E aquilo que tu queres
São palavras sem pudor
Sem sequer sensualidade
São ofensas, dissabores
Eu não quero este momento
Já estou indo amor

A brisa


A brisa trazia um frescor
No frescor um descanso
No descanso esperança
Comprovado pelo hoje

O hoje trazendo verdades
Verdades mutáveis, findáveis
Mas verdades de fato em foco
Fotografando sentimentos reais

A brisa trouxe então notícias
Vindas de um ontem recente
Advinda de nuvens necessárias
E como todas as nuvens, passageiras

E os passageiros das nuvens
Chuva, brisa e frescor
Me fizeram lembrar de você
Brisa e chuva trazendo frescor
A tua lembrança trazendo calor

O desvendar

As dúvidas antigas são densas
Sejam de dor ou encantamento
As lembranças ora enfeitam
Ora desarranjam a realidade

A realidade sempre mutável
Esconde verdades passadas
Revela dor de novas verdades
Cura a dor de velhas mentiras

Mas aí, o dia chamado hoje
Desfaz o doce encantamento
O vaso raro está quebrado
E com ele, vem a liberdade

Revelada por perdas benignas
Não há mais o que perder
Não há mais o que guardar
Não há mais o que querer

Vencera, venceu
Vence e vencerá
Doce e bela realidade.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Ninguém merece.

Era uma pessoa frenética e cheia de manias
Entendia que nada, absolutamente nada
Podia esperar ou ficar para amanhã
Nem mesmo a quinta-feira no dia de quarta

Parecia estressada, reclamava, fazia caretas
Tinha filhos mas não os beijava, sequer abraçava
Responsável ao extremo, pessoa mantenedora
Dava segurança sem protegimentos

Muitos critérios na alimentação balanceada
Dosava tudo, quantidade de água, vitaminas
Sais minerais, proteínas, fibras, tudo dosado
Não dizia palavra contra a carne vermelha
Mas também não comia

Lavar as mãos antes das refeições
Antes de pegar um bebê
Depois de cumprimentar alguém
Não precisava ser desconhecido
Bastava ter cumprimentado

Raras vezes bebeu coisas alcoólicas
Nunca jamais fumou
Sexo só para ter filhos
E se não bastasse tantas chatices
Ainda era uma pessoa fofoqueira