sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Sofrer

A dor que me leva
Ao encontro do que sou
E do que não sou também
É uma dor sem tamanho
Não é grande ou pequena
Basta ser incessante

A dor que tem remédio
É do sabor que não gosto
Não que seja amargo
Tampouco é doce
É porque me cura
Da dor que gosto de ter

Então não está na dor
Sequer na amargura
Não no remédio
Ou na doçura
É dor de um peito
Que não quer cura

Nenhum comentário:

Postar um comentário