segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Tenho rios em mim


Sou como um Pantanal

Adormecido em épocas
Com vastas planícies
Árvores pequenas e grandes
Caminhos de flores e frutos
Sendo assim, na época seca
Se não for longa e cruel

Isto porque em mim
Tenho um rio de lembranças
Teatros, cinemas, amigos
Amigas, namoros e irmãos

Tenho um rio de saudades
Cheio de infância e sucessões
Outro rio de palavras doces
Um de amargas palavras
Que me fizeram tão mal

Tais rios travestidos de riachos
Ajudam o fecundar d'alma
Mas nas chuvas,
Quando transpassam o leito
Ele se descobre e me encobre
E então, tenho um rio de saudades
O Rio de Janeiro em mim.

...............

A lembrança, o lugar
O silêncio e um beijo
O momento eterno e perfeito
De dois, de um, de nós
E a distância na mente
Mentindo a busca sana
Unir o que jamais se separou