domingo, 4 de setembro de 2011

LE COEUR ET LA PIERRE

A pedra nua, desvestida pela chuva
Tornou-se lisa, quase límpida
Não fossem pequenos verdes
Não fossem frisos nas pedras
E pequenos torrões que ficaram

Meu coração, também desvestido
Pelo vendaval de paixão que passou
Tornou-se duro, quase seco
Não fosse boas lembranças
E a morena que me olha ao passar

Nenhum comentário:

Postar um comentário