sábado, 9 de julho de 2011

Labor

No rosto escorre rósea gota pelo sério sorriso do dever cumprido

O suor com sangue desperta na amada uma admiração da dor

Cativa um respeito desnecessário cultivado pelo labor quase insano

E a mão que seca umedecendo a seca deste caminhar árduo

Escorre-lhe pelo corpo e desperta uma força ainda maior

Que irá brotar em uma noite de amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário