domingo, 30 de janeiro de 2011

JESUS


A verdade que sei de mim
A verdade que sei dos outros
As verdades que cri e descri
Nenhuma era verdade de verdade
Eram todas verdades temporais

Que o tempo transformou
Não propriamente em mentira
Que os fatos feriram
Não propriamente de morte
Mas as fizeram meias-verdades
Meio verdades também
Meias-mentiras
Meio mentiras de alguém

Então ficou ela somente
A velha  e sempre nova verdade
Aquela que é luz, verdade e caminho
Que está muito além da humanidade
Transcendendo religiosidades
Expressada por perdão incomum
E por juizo leve e companhia continua

Ficou incólume, perfeita
A verdade chamada Jesus

Nenhum comentário:

Postar um comentário